segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Pancho: Queda no número de passageiros em ônibus de Blumenau é três vezes maior que no Brasil

18/02/2017- Diário Catarinense

Por PANCHO

Pancho: Queda no número de passageiros em ônibus de Blumenau é três vezes maior que no Brasil Mariana Furlan / Agência RBS/Agência RBS

Pancho: Queda no número de passageiros em ônibus de Blumenau é três vezes maior que no Brasil Mariana Furlan / Agência RBS/Agência RBS
De 119 mil passageiros por dia em 2014, número passou para 88 mil em 2016
Foto: Mariana Furlan / Agência RBS / Agência RBS


Nos últimos dois anos Blumenau testemunhou uma diminuição brusca na quantidade de pessoas que usam ônibus para os deslocamentos diários. Em 2014 a média de viagens por dia era de 119 mil. Esse número caiu para 107 mil em 2015, queda de 10%, e para 88 mil em 2016, menos 17,7%.

No total, de 2014 para 2016 o número de viagens caiu 26% na cidade, índice bem maior que o registrado no Brasil. De acordo com o presidente do Serviço Autônomo Municipal de Trânsito e Transporte de Blumenau (Seterb), Carlos Lange, em todo o país essa redução foi de 9% no mesmo período.

A explicação parece óbvia. Em 2015 sofremos como nunca com o último ano de operação do Consórcio Siga. As inúmeras paralisações no segundo semestre por si só já contribuem para a estatística, mas a falta de confiança do usuário na eficiência do sistema foi comprometida.

No ano passado mais um traumático capítulo neste período de transição. Com o início da prestação de serviço em regime de urgência, a Viação Piracicabana trouxe ônibus em condições deprimentes e, até a empresa se adequar ao sistema, vários problemas como atrasos e falta de ônibus foram registrados, principalmente no primeiro mês de operação. Com isso, a confiança recebeu outro golpe.

Operação regular deve frear queda

A esperança na inversão dos números está depositada no início da operação da Viação Piracicabana como empresa oficial do transporte coletivo da cidade, o que está previsto para ocorrer até junho, já que o processo de homologação da empresa, única participante da licitação, está em fase final. Lange diz que a exigência de ônibus novos, com mais comodidades, deve fazer com que o blumenauense que deixou de usar o transporte coletivo nesses dois últimos anos volte ao sistema gradativamente.

Outro aspecto que deve ajudar na recuperação dos passageiros, na avaliação de Lange, é o fato da cidade não ter sofrido tanto como o restante do país nesta recessão econômica, mantendo índices de desemprego menores que a média.

Recuperar antigos e conquistar novos

É bem provável que o Seterb aproveite o retorno do transporte coletivo em regime regular para lançar alguma campanha que ajude a incentivar o uso dos ônibus na cidade. Além de enaltecer as novas características da operação, dará dicas de como o passageiro pode contribuir para que as viagens sejam mais confortáveis, seguras e tranquilas.

Essa ação deveria ser constante e poderia ser cobrada da permissionária. A preocupação deveria estar não só na recuperação da confiança por quem abandonou o sistema, mas também na conquista de novos usuários. Gente que poderia deixar o carro ou a moto em casa sem comprometer o bolso, a agenda e bem-estar.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Novos ônibus Neobus Mega Plus entram em operação na Viação Canarinho

11/02/2017 - Bonde News

Veículos começaram a ser utilizados no transporte da cidade de Jaraguá do Sul 

A Neobus forneceu 25 ônibus Mega Plus para a Viação Canarinho, operador de transporte urbano de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina. Os veículos entraram em operação no final de janeiro e foram adquiridos dentro do processo de renovação de frota da empresa. 

O ônibus Mega Plus se destaca pela extrema robustez e por ter a maior largura entre os urbanos do mercado nacional. Com mais espaço interno para os passageiros, econômico e com desenho moderno, o veículo foi projetado para também oferecer maior eficiência e rentabilidade ao operador.

Equipado com chassi Volkswagen 15.190 OD Euro V, com 11.200 mm de comprimento total, o Mega Plus conta com itinerário eletrônico, sistema multiplex, monitoramento com três câmeras, iluminação interna e externa em LED, além de oferecer ao motorista maior ergonomia e conforto para melhor condução. 

Fundada em 1970 em Jaraguá do Sul, Santa Catarina, a Viação Canarinho é a primeira empresa jaraguaense de transporte coletivo de passageiros. Em 2009, implantou um dos mais modernos sistemas de arrecadação eletrônica do Brasil, proporcionando benefícios à população. Atualmente, possui frota de cerca de 220 veículos, com ônibus urbanos, todos com total acessibilidade e dentro das exigências da lei, além de modelos de turismo e micro-ônibus.

Quem escreve esta coluna?

Carlos Alberto Bellinaso
Pintor, radialista, escritor, ator, jornalista, poeta, publicitário. Este é Carlos Alberto Bellinaso, 46 anos. Já atuou como gerente da Rádio 105 FM; gerente comercial da RBS TV SMA; executivo da RBS TV-Uruguaiana; gerente geral de O Estado do Paraná e Tribuna do Paraná; Gerente Regional da Folha de Londrina e Folha de Negócios e gerente Regional da Gazeta Mercantil-RS. Diretor comercial do jornal A Razão, ministra cursos de Vendas, Marketing e Gestão de jornal, rádio e tevê.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Pacto Pela Mobilidade Urbana na Capital não vale mais nada

30/01/2017 - Notícias do Dia 

Portarias do Ministério das Cidades, ocupado pelo PSDB, anularam contratos assinados em 2014 pela presidente Dilma

CARLOS DAMIÃO 

Assinado em 2014 pela presidente Dilma, durante visita a Florianópolis, o Pacto pela Mobilidade foi cancelado pelo governo federal em duas portarias publicadas pelo Ministério das Cidades (632 e 633), no Diário Oficial da União de 30 de dezembro de 2016. No total, o pacto previa a aplicação de R$ 412 milhões em obras fundamentais para a mobilidade urbana da Capital, três corredores exclusivos de ônibus, nove corredores alimentadores, cinco terminais e um centro de controle de tráfego. O contrato incluía, por exemplo, a duplicação da Rua Deputado Antônio Edu Vieira e duplicação de um trecho da Beira-Mar Norte, próximo ao Palácio da Agronômica. 

"O Pacto pela Mobilidade Urbana visa a promover, por meio da ação coordenada das três esferas de governo, o acesso amplo e democrático às oportunidades que as cidades oferecem para aumento da participação do transporte público e do transporte não motorizado no conjunto de deslocamentos da população", assim se definia o projeto do Ministério das Cidades, derrubado pelas portarias de dezembro. Do valor total, metade viria do governo federal e a outra metade seria proveniente de financiamento.

As portarias anularam os seguintes contratos, entre outros:
- Atracadouro para o transporte público
- Corredor Continental Sul-Norte e Alimentadores
- Corredor Insular Leste e Alimentadores
- Projeto do Corredor Continental Norte
- Projetos de Elevadores e Funiculares
- Terminais do Corredor Insular Sul
- Vias Alimentadoras do Corredor Insular Norte

O prefeito Gean Loureiro pertence ao mesmo partido do presidente da República, Michel Temer, o PMDB. O ministro das Cidades, Bruno Araújo, é do PSDB, partido do vice-prefeito de Florianópolis, João Batista Nunes.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

ELETRA CONFIRMA INÍCIO DE OPERAÇÃO DE ÔNIBUS A “ENERGIA SOLAR” AINDA NESTE MÊS

13/12/2016 - UITP Latin American

Ônibus elétrico que será abastecido a partir de energia solar. Estudo da universidade catarinense mostra que um ônibus com consumo médio de 670 litros de diesel por mês emite cerca de 3,9 toneladas de CO2. Em um ano, a emissão chega a 46,8 toneladas de CO2. Ônibus elétricos podem poupar estas emissões.

Veículo é elétrico, mas energia será gerada em estação experimental de universidade por meio de placas fotovoltaicas

A fabricante de tecnologia para veículos elétricos, Eletra, com sede em São Bernardo do Campo, no ABC Paullista,  confirmou nesta segunda-feira ,12 dezembro de 2016, que o primeiro ônibus elétrico assistido por energia solar fotovoltaica do Brasil começará a circular em Santa Catarina ainda neste mês.

O Diário do Transporte antecipou em primeira mão o desenvolvimento dos estudos. O ônibus foi apresentado em setembro no 12º Salão Latino-Americano de veículos elétricos, realizado em setembro na cidade de São Paulo.

O novo modelo inicialmente fará o transporte de alunos, professores e técnicos da UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, entre o campus da Trindade e o laboratório, no Norte da Ilha, no Sapiens Parque, bairro Canasvieiras.

Os testes fazem parte dos trabalhos do Grupo de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da UFSC. O projeto é coordenado pelo professor Ricardo Rüther, da mesma universidade ,e foi financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI, ao custo de cerca de R$ 1 milhão.

Na verdade, o ônibus é elétrico com bateria, no entanto, uma estação dentro do campus da universidade vai captar energia solar e transformar em energia elétrica para alimentar as baterias do ônibus.

Em nota, a Eletra traz alguns detalhes das características técnicas do veículo:

O ônibus, Marcopolo Torino Low Entry, com plataforma Mercedes-Benz O500U Elétrico, possui sistema de tração elétrica com tecnologia da Eletra, responsável também  pelo projeto de integração, com 200 kW de potência. Com comprimento total de 12.710mm, tem capacidade para 37 passageiros sentados, rampa de acesso para portadores de necessidades especiais, poltronas estofadas, sistema de ar-condicionado, wi-fi e pontos USB.

 O projeto Ônibus Elétrico Assistido por Energia Solar Fotovoltaica da UFSC conta também com a parceria das empresas Marcopolo, Mercedes-Benz e WEG. Envolve o conceito de “deslocamento produtivo”, aliado a um veículo de propulsão 100% elétrica e para o qual a geração de energia é realizada por intermédio de módulos solares fotovoltaicos integrados.

 O sistema de tração desenvolvido pela Eletra tem motor elétrico WEG Trifásico 250 L com 200/400 kW de potência com autonomia de até 200 quilômetros, com quatro recargas de seis minutos. O projeto de integração e tecnologia da Eletra possui baterias de tração tipo Ions de Lítio (Energia de 128kW/h com oito “Packs” e tempo de recarga de 2,5h com carregador lento e 0,5h com carregador rápido).

Um trabalho acadêmico da UFSC mostra que um ônibus elétrico puro pode evitar a emissão de 46,8 toneladas de gás carbônico por ano, é o equivalente ao que 5800 árvores resgatariam de gás do ambiente no mesmo período.

Estudo da universidade catarinense mostra que um ônibus com consumo médio de 670 litros de diesel por mês emite cerca de 3,9 toneladas de CO2. Em um ano, a emissão chega a 46,8 toneladas de CO2.

Segundo o  Grupo de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da UFSC, os benefícios ao meio ambiente que o ônibus 100% elétrico pode gerar equivalem ao que 5.800 árvores resgatam de gás carbônico no meio ambiente. Estudo do Instituto Totum e da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), da Universidade de São Paulo, em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, demonstra que cada árvore da Mata Atlântica absorve 163,14 kg de gás carbônico (CO2) nos primeiros 20 anos de vida, o que seria uma média de 8,1 kg de CO2 por ano.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

https://diariodotransporte.com.br/2016/12/13/eletra-confirma-inicio-de-o...

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Grande Florianópolis já deve ter BRT em 2017, diz superintendente

25/10/2016 -  
 
LARISSA LINDER

Grande Florianópolis já deve ter BRT em 2017, diz superintendente Cristiano Estrela/Agência RBS
Grande Florianópolis já deve ter BRT em 2017, diz superintendente Cristiano Estrela/Agencia RBS
Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

A falta de integração no transporte público de Florianópolis é um gargalo que obriga, muitas vezes, o usuário que transita entre dois pontos do continente a pegar um ônibus que vai até Ilha e, lá, trocar por outro que retorna à região continental. 

O sistema metropolitano, liderado pela Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Grande Florianópolis (Suderf), pretende acabar com isso. Entre as opções para solucionar o problema, o projeto prevê trazer BRTs (Bus Rapid Transit ou Ônibus de Transporte Rápido) para a região, um esquema de faixas exclusivas de ônibus (veja a definição de BRT ao final da matéria).

– Hoje, para ir de Palhoça até o centro (da Capital), leva-se 15 minutos sem trânsito e mais de uma hora com trânsito. O objetivo é que com o novo sistema sejam sempre 15 minutos – diz o professor Werner Kraus, do Observatório de Mobilidade Urbana da UFSC, que faz parte do projeto. 

A Suderf estima que todas as linhas estarão prontas até 2021, mas já em 2017 alguns trechos deverão ser entregues.

– Espera-se que os primeiros trechos do BRT interligando São José via Estreito até o Terminal Integrado do Centro (Ticen), em Florianópolis, bem como a racionalização dos itinerários das redes e linhas intermunicipais, entrem em operação até o final de 2017 – diz Cassio Taniguchi, superintendente da Suderf. 

Projeto prevê três linhas de BRT

O projeto metropolitano planeja duas linhas saindo de Palhoça e outra de São José, todas terminam no centro da Capital. No total, serão 57 quilômetros de vias e de faixas exclusivas, 36 estações e quatro terminais de integração para este modal. 

Foto: Arte DC / Agência RBS

Além disso, como explica Taniguchi, estão previstas faixas exclusivas para ônibus comuns e a remodelação dos percursos dentro dos municípios. A outra linha de BRT, dentro da Capital, é tocada pela prefeitura, fora do âmbito da Suderf, e já está em obras desde maio, com dinheiro da Caixa.

Para o sistema metropolitano, o investimento, de R$ 1,1 bilhão, deverá contar com aportes do governo do Estado por meio de financiamentos de bancos de desenvolvimento (BNDES, principalmente) na proporção de 50% do poder público e 50% do parceiro privado. 

O sistema está sendo tocado por meio de parceria público-privada (PPP). De um lado, o consórcio Triunfo toca a parte de infraestrutura. De outro, a Suderf, em convênio com o Observatório de Mobilidade da UFSC, faz a parte de inteligência operacional.

Um dos pontos atacados será o excesso de linhas intermunicipais que saem de Biguaçu e São José em direção à Capital. Por não terem integração entre si, acabam trafegando com poucos passageiros, formando filas nos corredores de ônibus, além de atenderem poucos trajetos dentro dos municípios. O mesmo não ocorre em Palhoça, onde já há integração quase completa.

Mas para que novo sistema dê certo é preciso que os prefeitos das cidades envolvidas concordem em seguir adiante com o projeto de forma integrada. As prefeituras de São José, Palhoça e Biguaçu, procuradas pela reportagem, mostraram-se favoráveis. Em todas elas, os prefeitos foram reeleitos.

O que é BRT?

Bus Rapid Transit ou Transporte Rápido por Ônibus é um sistema de transporte coletivo de passageiros com base em ônibus com faixas exclusivas. Para ser considerado um BRT, é preciso que o sistema tenha cinco características: 

1) faixa exclusiva;
2) alinhamento das faixas no corredor central da via;
3) pagamento da tarifa na estação, não dentro do veículo;
4) passagem livre para ônibus nas interseções;
5)  plataformas de embarque em nível, alinhadas com o piso dos ônibus. 

O BRT é uma tecnologia brasileira, desenvolvida na gestão do ex-prefeito de Curitiba Jaime Lerner, na década de 1970. Embora já existissem faixas de ônibus em vários lugares no mundo antes disso, foi Lerner quem idealizou o sistema da forma como é conhecido hoje. 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Governador de SC afirma avanço nos estudos para implantação de BRT na Grande Florianópolis

21/09/2016 - Notícias do Dia

O projeto ainda deve ser apresentado ao Tribunal de Contas do Estado. A previsão é lançar a licitação entre o fim deste ano e o início de 2017.

O governador Raimundo Colombo recebeu a equipe responsável pelo projeto de implantação do sistema de transporte coletivo por BRT (Bus Rapid Transit) na Grande Florianópolis na tarde de terça-feira (20) e afirmou que os estudos estão avançando. Os próximos passos envolvem apresentação do projeto ao Tribunal de Contas do Estado e a realização de audiências públicas para, então, lançar a licitação, o que está previsto para ocorrer entre o final deste ano e o início de 2017.

A proposta, segundo o governo do Estado, é estabelecer uma parceria público-privada para operação do sistema BRT na região metropolitana de Florianópolis, com uma concessão administrativa prevista para 25 anos. O traçado inicial contaria com 57,5 quilômetros, envolvendo quatro terminais exclusivos, 36 estações e 76 paradas.

O secretário de Estado do Planejamento, Cássio Taniguchi, explica que a área de cobertura é bastante ampla, abrangendo desde o município de São José e o bairro Estreito, na área continental de Florianópolis, até o Centro da Capital e, na sequência, as regiões da UFSC e do Norte da Ilha.

A estrutura prevista na Grande Florianópolis seria construída ao longo de quatro anos, com investimentos de R$ 1,1 bilhão, valor a ser dividido entre poder público e iniciativa privada.

A proposta do BRT é aumentar o número de pessoas que utilizam o transporte coletivo na região, desafogando o trânsito na entrada e na saída de Ilha. Pesquisa do Plamus (Plano de Mobilidade Urbana Sustentável) da Grande Florianópolis aponta que enquanto a média brasileira é de 32% da população utilizando transporte individual (carro ou moto), na região de Florianópolis esse índice é de 48,7%. Em cidades que contam com sistemas semelhantes ao BRT previsto para Florianópolis, os índices são bem inferiores, como em Curitiba (30%) e no Rio de Janeiro (21%).

Também acompanharam a reunião o presidente da SCPar e do Comitê Gestor de Parcerias Público-Privadas, Paulo César da Costa; os secretários de Estado da Casa Civil, Nelson Serpa; e da Fazenda, Antonio Gavazzoni; o procurador-geral do Estado, João dos Passos Martins Neto; e o presidente do Deinfra, Wanderley Agostini.


terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Florianópolis deve ter 1º trecho de corredor para ônibus até 2018

01/12/2015 - G1 SC

A região da Grande Florianópolis deve ter o primeiro trecho de corredor exclusivo para ônibus em 2018. A afirmação é secretário de Estado do Planejamento, Murilo Flores, durante a apresentação do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis (Plamus).

O incentivo ao transporte coletivo foi apontado como a alternativa para melhorar o trânsito na região. A implantação do sistema BRT (Bus Rapid Transit) ganhou destaque entre as sugestões. O plano foi apresentado na sexta-feira (27).

“A nossa prioridade é a implantação do BRT, com corredores exclusivos para ônibus modernos e confortáveis, o que vamos fazer por meio de parceria público privada. Estamos estudando o modelo a ser implantado e a proposta é de que até 2018 o primeiro trecho esteja funcionando”, afirmou o secretário de Estado do Planejamento, Murilo Flores.

Com o estudo, também foram sugeridas medidas de curto prazo para melhorar o tráfego entre a Ilha e o Continente, como licitação de serviço de guincho e integração dos órgãos de gestão de trânsito nos níveis federal, estadual e municipal para dar respostas rápidas na região metropolitana. Outra medida é melhorar a sinalização e eliminar os entrelaçamentos nas pontes.
No caso da Via Expressa, as sugestões de curto prazo são implantação de terceiras faixas, melhorias na geometria dos acessos e integração da operação com as pontes.

A Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana (Suderf) é a responsável por garantir que o modelo de gestão funcione de maneira integrada entre estado e municípios. O órgão foi criado no fim do ano passado para gerenciar os serviços de interesse comum na região metropolitana, em conjunto com os municípios, conforme as diretrizes definidas pelo recém-aprovado Estatuto da Metrópole (Lei Federal 13.089/2015).

O Plamus

Foram dois anos de estudos, levantamentos, análises e proposições. O conteúdo completo dos 19 relatórios, somando mais de 5.000 páginas, está disponibilizado para consulta. O relatório final pode ser encontrado no site do BNDES. Outros documentos relacionados também podem ser achados na página.

O estudo técnico foi para apresentar soluções para os problemas de mobilidade urbana dos 13 municípios da Grande Florianópolis: Anitápolis, Rancho Queimado, São Bonifácio, Angelina, Antônio Carlos, Águas Mornas, São Pedro de Alcântara, Santo Amaro da Imperatriz, Biguaçu, Governador Celso Ramos, São José, Palhoça e Florianópolis.

Informações: G1 SC